Casa de ISOPOR

O isopor é uma marca de um material chamado EPS (poliestireno expandido). Ele não é novo nas construções e é comumente utilizado em lajes por ser muito leve, isolante térmico e acústico e fácil de transportar. O que é novidade aqui no Brasil é que ele passou a ser usado também nas paredes, através de um sistema construtivo próprio.

As construções com EPS permitem que as paredes sejam estruturais. Isso é, que dispensam o uso de pilares e vigas e evitam o desperdício com formas de madeira, sendo muito mais sustentáveis. Além disso, fazem menos sujeira e requerem menos recursos como ferro e cimento. As paredes são compostas por duas malhas metálicas com chapas de EPS entre elas, que são fixadas e em seguida recebem um banho de argamassa dos dois lados. É assim que elas adquirem resistência superior às alvenarias estruturais de tijolo. A tubulação de hidráulica e elétrica é instalada antes da aplicação da argamassa, diminuindo os resíduos da obra, evitando o desperdício de tempo e material gerado por quebradeiras, como acontece no sistema de alvenaria convencional. O sistema construtivo em EPS, assim como outros métodos similares, como: Steel Frame e Wood Frame são amplamente utilizados no exterior, especialmente por sua resistência a terremotos, mas também por suas inúmeras vantagens, tais como a facilidade e rapidez de execução, redução dos desperdícios e do custo final da obra, e no caso do EPS também a vantagem em termos de eficiência termo-acústica, já que se trata de um material isolante, além da alta estanqueidade (dificuldade da água passar pela estrutura).
As paredes possuem espessura reduzida e ficam com aspecto semelhante aos das alvenarias de tijolos ou blocos de concreto, somente com a espessura um pouco menor. Ao bater na parede, como normalmente se faz para saber se ela é de qualidade ou parece oca como as paredes de gesso, por exemplo, não é possível diferenciá-las das paredes de tijolo comuns.
Os avanços em técnicas de construção industriais (menos trabalho no campo e mais trabalho na fábrica) vem contribuindo para que padrões de qualidade mínimos sejam alcançados.

O EPS vem se destacando como forma de atender o mercado nas 2 frentes: sustentabilidade e preço de construção competitivo e deve ter crescimento no Brasil de forma exponencial, já que é amplamente utilizado em outros países não se caracterizando como uma aventura da construção civil local.

Na região de Campinas-SP, podemos encontrar casas em EPS que consomem um volume de água até 50% menor no canteiro de obras, sem contar com a redução quase a zero de resíduos sólidos. Outra vantagem é sua performance termoacústica, o que ajuda as obras a cumprirem requisitos das Norma de Desempenho (ABNT NBR 15575).

Painéis monolíticos de EPS colocados sobre laje